Sem categoria

Hipertensão ameaça pernambucanos. No Brasil, 24% da população já sofre com a doença

Problema afeta 24% da população brasileira

Segundo dados divulgados pelo ministro da saúde, o médico infectologista Alexandre Padilha, a hipertensão afeta em torno de 24% da população brasileira. Para aqueles que possuem baixa escolaridade (menos de oito anos), o perigo é ainda maior. Segundo o cardiologista Carlos Roberto Melo, do Hospital Esperança, algumas pessoas têm predisposição à hipertensão – ou possuem hábitos que podem provocar o aparecimento da doença ou acelerar seu surgimento. “O histórico familiar de hipertensão arterial em vários membros da família sinaliza como um forte marcador para o aparecimento dessa doença em seus descendentes”, esclarece o profissional.

Além da genética, hábitos como tabagismo, ingestão de álcool em excesso e uso de drogas ilícitas também podem estimular – ou mesmo antecipar – o aparecimento da doença. “Uma dieta rica em sal, gorduras e frituras; a falta de atividade física regular (sedentarismo), a obesidade e a utilização de anti-inflamatórios de forma indiscriminada são fortes fatores favoráveis à provocação dessa doença”, ressalta. “A hipertensão arterial é uma doença traiçoeira e 70% dos pacientes não apresentam sintomas”, afirma o cardiologista.

O coração, o cérebro, os rins e as artérias dos membros inferiores são as grandes vitimas da hipertensão. Entre as complicações causadas pela doença, podemos citar: enfarte do miocárdio, acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca, insuficiência renal, angina de peito, claudicação dos membros inferiores (dor e cansaço nas pernas aos esforços. Nos casos extremos, os sintomas dolorosos podem ocorrer mesmo em repouso), esclarece Carlos Roberto.

A hipertensão tem cura (por meio de tratamento cirúrgico) apenas para os pacientes com a Hipertensão Arterial Secundária, que representam apenas 5% da população hipertensa. “Os outros 95% dos hipertensos estão classificados no grupo dos portadores de Hipertensão Arterial Primária. Nessa situação não há cura, e sim controle dos níveis tensionais, o que é realizado através da administração de drogas especificas, mudanças no estilo de vida, hábitos alimentares saudáveis, controle do peso e prática de exercícios regularmente”, explica o cardiologista Carlos Roberto Melo.


Posts Relacionados


Tags

Compartilhar